Fechar
Região

DIG prende morador de SP que tentava aplicar golpe em aposentada de Tupã; acusado já havia feito uma vítima

08 de Novembro de 2019

06h29

Redação Bastos Já


Um indivíduo de 32 anos morador em São Paulo foi preso em Tupã quando tentava aplicar o golpe do “cartão de crédito” contra uma aposentada de 66 anos. Um dia antes, o acusado conseguiu ludibriar um aposentado tupãense de 75 anos que entregou seu cartão de crédito e sofreu prejuízo de R$ 2.800,00. A ação policial foi realizada na tarde desta quinta-feira (7) pela competente equipe da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Tupã, sob comando da delegada Milena Davoli Nabas de Melo. O caso está sob investigação para ser totalmente esclarecido e outros envolvidos presos.  

Segundo a delegada uma pessoa informou a Polícia Civil de Tupã que uma aposentada moradora na cidade estava prestes a sofrer golpe de um indivíduo que dizia ser de uma operadora de cartão. “A vítima recebeu um telefonema informando que seu cartão havia sido clonado e precisava ser cortado e entregue para uma pessoa que passaria na residência para buscá-lo”. Consta ainda no boletim de ocorrência que durante a conversa o desconhecido, se passando por uma pessoa do corpo de segurança da empresa do cartão de crédito, consegue que a vítima informe a senha do cartão para que o golpe seja aplicado.

Milena Davoli Nabas de Melo disse ainda que dois policiais civis da DIG foram até a moradia da vítima. “Os investigadores ficaram de prontidão e quando o indiciado chegou em uma moto, placas de São Paulo, foi detido. Ele - golpista - ainda tentou correr a pé, mais foi abordado e detido. No plantão policial foi encontrado com o autor várias máquinas de cartão de credito que eram utilizadas para uso dos cartões das vítimas. O caso está sob investigação por trata-se de uma quadrilha de São Paulo, que na quarta-feira (6), havia aplicado golpe em outra pessoa moradora de Tupã que sofreu prejuízo de R$ 2.800.00. Caso outras pessoas tenham sido vítimas deste tipo de golpe, peço que procurem a polícia”.