Fechar
Nacional

Líder rural no PA, Dilma Silva é uma das vítimas de triplo homicídio em assentamento

23 de Março de 2019

09h27

Por G1 PA — Belém

A líder rural Dilma Ferreira Silva, que atuava no Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) no Pará, é uma das vítimas de um triplo homicídio ocorrido em uma casa no assentamento Salvador Allende, zona rural de Baião e a 60 km de Tucuruí, no sudeste do Pará. As vítimas foram amarradas, amordaçadas e esfaqueadas, segundo as investigações.

O corpo de Dilma foi encontrado em uma cama. O maranhense Claudionor Amaro Costa da Silva, 42, esposo dela, e um conhecido do casal, Hilton Lopes, 38, foram encontrados mortos na entrada da residência, onde funcionava um mercado, de acordo com a Secretaria de Estado de Segurança Pública (Segup). A casa estava toda revirada, quando policiais da Seccional de Tucuruí chegaram ao local.

A Segup informou que as investigações devem ser conduzidas pela Superintendência de Tucuruí, com auxílio ao Núcleo de Apoio à Investigação.

As motivações do crime ainda estão sendo investigadas. Testemunhas disseram que viram seis homens chegarem no local do crime e quando voltaram, o crime já havia ocorrido.



De acordo com o MAB, Dilma era coordenadora regional do MAB em Tucuruí. Segundo o movimento, em 2011 ela participou de uma audiência com a então presidente Dilma Rousseff, quando entregou documento pedindo um política nacional de direitos para os atingidos por barragens e atenção especial às mulheres atingidas.

Em nota, o movimento disse que o assassinato é um "momento triste para a história dos atingidos (...) que no dia de hoje celebravam o dia internacional da água" e pediu apuração rápida das autoridades, além de medidas de segurança para os atingidos por barragens.