Fechar
Região

Diocese de Marília completa 68 anos de instalação

15 de Outubro de 2020

12h25

Fonte: Diário Tupã

A Diocese de Marília completou 68 anos de instalação e a data foi lembrada com missa celebrada segunda-feira, dia 12, às 16 horas,  na Catedral Basílica São Bento, presidida pelo bispo dom Luiz Antonio Cipolini, juntamente com os padres José Orandi da Silva e Vagner Montoz.

Após a missa na catedral, aconteceu a carreata pela cidade com a imagem de Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil.

Segundo o padre José Orandi, pároco da Catedral São Bento, a primeira missão da igreja é o anúncio de Jesus Cristo para todos os povos, gerando a vocação para esperança e construção de um mundo melhor. A diocese tem valor comunitário porque a igreja é o sinal da comunidade na so-ciedade. “A igreja tem a missão de agregar e educar na missão de Cristo e o anúncio da boa nova. A igreja tem a missão de pastorear e conduzir o povo com sabedoria e amor”, disse.

O padre José Orandi explicou que também através dos meios de comunicação, a igreja tem a missão de estimular a consciência de justiça, inspirando a responsabilidade, a solidariedade e os valores de amor e união. “A igreja também trabalha para evitar a desigualdade entre os povos, tanto social como econômica”, disse.

CRIAÇÃO DA DIOCESE

A Diocese de Marília foi criada em 16 de fevereiro de 1952, através da bula “Ad Episcoporum Munus”, tendo sido desmembrada da diocese de Lins. O decreto de criação foi assinado pelo Papa Pio XII. Para determinar os seus limites territoriais, foram utilizadas as divisas naturais da região. Assim, a Diocese de Marília foi formada pelos municípios localizados entre o Rio Aguapeí, ou Rio Feio, e o Rio do Peixe.

A instalação da Diocese de Marília ocorreu no dia 12 de outubro do mesmo ano. Após a instalação, a diocese permaneceu sob os cuidados do bispo diocesano de Lins, dom Henrique Gelain, que foi empossado administrador apostólico e recebeu da Nunciatura Apostólica a subdelegação para executar a bula de criação.

Desde a sua criação,  já compuseram o clero da Diocese de Marília diversos padres diocesanos e religiosos, de diversas congregações e nacionalidades. A maioria dos sacerdotes residentes na diocese nas primeiras décadas de sua existência, constavam de religiosos ou diocesanos vindos de outros países.

Entre os religiosos que já passaram pela Diocese de Marília estão os jesuítas - que estiveram à frente da Paróquia São Judas Tadeu, de Tupã -, os salesianos - que residiram em Lucélia e Tupã -, e os capuchinhos - que administraram a Paróquia São Miguel Arcanjo, de Marília, e a Paróquia Nossa Senhora do Rosário, de Pompéia.

Cinco bispos governaram a Diocese de Marília. Dom Henrique Gelain, o primeiro prelado à frente da recém-criada diocese, foi administrador apostólico entre os anos de 1952 e 1954.

Em seguida o arcebispo dom Hugo Bressane de Araújo tornou-se o primeiro bispo diocesano de Marília. Seu governo se estendeu até 1975, até ser substituído pelo segundo bispo diocesano, dom Frei Daniel Tomasella, OFMCap. Em 1992, toma posse dom Osvaldo Giuntini, terceiro bispo de Marília, que em 2013 foi sucedido pelo atual bispo diocesano, dom Luiz Antonio Cipolini.