Fechar
Região

Delegado de Pompeia diz que mortes de mãe e filha aconteceram entre novembro e dezembro de 2020

03 de Fevereiro de 2021

08h00

Redação Bastos Já – com informações cedidas por João Mário Trentini

A Polícia Civil de Pompeia, através do delegado Cláudio Anunciato Filho, revelou que Cristiane de 34 anos e sua filha Karoline de apenas 9 anos, foram mortas entre o final de novembro e início de dezembro do ano passado e o caso começou a ser investigado a partir de uma denúncia feita pelo Conselho Tutelar da cidade no último dia 22. Os corpos da mulher e da criança foram encontrados enterrados no quintal da residência onde residiam com outra filha de 16ª nos e o padrasto nessa terça-feira, dia 2. O suspeito dos crimes, um indivíduo de 36 anos que era companheiro da mulher e padrasto da criança, estava foragido até o final da tarde de ontem (2). Uma adolescente de 16 anos, filha e irmã das vítimas foi apreendida por suspeita de participação no duplo homicídio.

As investigações iniciaram no último dia 22 de janeiro, data que a Polícia Civil recebeu uma denúncia, feita pelo Conselho Tutelar, de que a família estaria sob cárcere privado e uma adolescente havia sofrido abuso sexual por parte do padrasto. Após árduo trabalho da Polícia Civil, o caso foi esclarecido e os corpos da mãe e filha foram encontrados nessa terça-feira, dia 2. “Com ajuda de máquinas da Prefeitura retiramos o concreto que havia no local e encontramos o corpo da mãe e da criança. As mortes ocorreram entre o fim de novembro e começo de dezembro e os corpos foram enterrados no local na data em que ocorreram os crimes. Mesmo com as vítimas enterradas no quintal da residência, a adolescente e o padrasto permaneceram morando no local”, revelou o delegado da Delegacia de Polícia Civil de Pompeia, Cláudio Anunciato Filho.

O delegado informou que no início das investigações, a Polícia Civil esteve na residência da família “e encontramos no local o padrasto e a adolescente. Eles - padrasto e enteada - foram levados para a delegacia, onde a adolescente disse que a mãe tinha ido embora com um namorado novo e deixado ela para trás pois a filha poderia atrapalhar o relacionamento. Ocorre que a versão, tanto da adolescente quando do suspeito, não nos convenceu e decidimos ir até Santa Mercedes, onde as vítimas haviam residido anteriormente. Em Santa Mercedes apuramos que a Cristiane havia sido demitida de um emprego naquela cidade e recebido um valor de cerca de R$ 6 mil da rescisão do contrato, fato este ocorrido em outubro do ano passado. Descobrimos também que havia sido feito movimentações com o cartão bancário da vítima. De posse das imagens do circuito de segurança do banco, confirmamos que o companheiro era quem movimentava a conta da mulher”.

Cláudio Anunciato Filho, disse ainda que: “A adolescente não admite nada em seu depoimento sobre a participação na morte da mãe e da irmã, e nem mesmo que mantém um relacionamento amoroso com o padrasto, mas já temos provas que a relação existe. Na data de hoje (02/02), ao ser apreendida e como estava dificil encontrar o cadáver da criança, a adolescente revelou aos policiais, ou seja indicou, que o corpo da irmã estava proximo de uma àrvore e de uma piscina de plástico", revelou o delegado da Delegacia de Polícia Civil de Pompeia.