Fechar
Esportes

Cássio pega pênalti, e Corinthians vence Mirassol em início de ‘’tour’’ pelo RJ

24 de Março de 2021

01h33

Fonte: globoesporte.globo.com

Timão vence em Volta Redonda

No fim das contas, teve jogo. Depois de reuniões da FPF, indefinições, mudanças e uma viagem às pressas, o Corinthians venceu o Mirassol por 1 a 0 na noite desta terça-feira, no Estádio Raulino de Oliveira, em Volta Redonda, pela quinta rodada do Campeonato Paulista. Gustavo Mosquito foi o responsável pelo único gol, ainda no primeiro tempo, que manteve a invencibilidade do Timão e quebrou a do Leão no campeonato – Cássio pegou um pênalti cobrado por Fabricio nos acréscimos do segundo tempo e evitou o empate. Definida de última hora pela Federação Paulista de Futebol, a partida foi boa diante da preparação (ou a falta dela) que as equipes tiveram: um duelo aberto, com boas chances de gol (34 finalizações no total, 22 delas do Mirassol) e disputado num gramado desconhecido pelos dois times.

Como fica?

A vitória leva o Corinthians aos 11 pontos em cinco jogos, disparado na liderança do Grupo A. O Mirassol permanece com oito, ainda na ponta do Grupo D.

E o que vem por aí?

Foi a primeira partida de um “tour” fluminense que a Federação Paulista pretende fazer nas próximas rodadas – as definições, porém, vêm mudando quase que de hora em hora. O Corinthians continua no estado do Rio de Janeiro porque, por enquanto, tem jogo marcado contra o Retrô-PE na sexta-feira, às 21h30 (de Brasília), em Saquarema, pela segunda fase da Copa do Brasil – isso se novas mudanças não forem anunciadas. Já o Mirassol aguarda os próximos passos relacionados ao retorno do Paulistão.

Fala, Cássio!

A vitória leva o Corinthians ao oitavo jogo sem perder entre o fim da última temporada e o início da atual – maior sequência sob comando de Vagner Mancini. Responsável por defender pênalti decisivo nos acréscimos, Cássio falou sobre a vitória e também sobre as reviravoltas no Paulistão, que terminou sendo jogado em outro estado.

Primeiro tempo

O Mirassol começou melhor e teve três finalizações antes dos 10 minutos, a melhor delas com Diego Gonçalves, que perdeu gol frente a frente com Cássio. O time do interior criou mais e chegou a ter 71% de posse de bola, mas o Corinthians foi cirúrgico na primeira oportunidade que teve: um belo lançamento de Gabriel para Fagner, que cruzou rasteiro para trás e viu Gustavo Mosquito finalizar e abrir o placar. O árbitro Vinícius Gonçalves Dias Araújo chegou a ir à cabine do VAR checar a interferência de Jô, impedido, no lance. O gol foi confirmado logo depois da consulta e de uma pausa de um minuto de silêncio, aos 22 minutos e meio, para homenagem às vítimas da Covid-19. No fim, o Timão criou mais uma chance, com Rodrigo Varanda, em chute que exigiu boa defesa de Alex Muralha. E o Mirassol quase empatou por duas vezes, em falta cobrada por Cássio Gabriel e numa falha de Otero que terminou em cruzamento rasteiro para Fabricio, que furou.

Segundo tempo

O jogo ficou mais aberto para o Corinthians, já que o Mirassol adiantou suas linhas e tentou pressionar em busca do empate. Jogando no espaço do adversário, o Timão apostou em jogadas de velocidade e chutes de média e longa distância – num deles, Ramiro acertou a trave. Otero perdeu um gol na sequência, quase da marca do pênalti, e errando outros chutes nas jogadas seguintes. O Mirassol melhorou com as entradas de Rafinha e Rodolfo, pressionando o rival e rondando a área de Cássio. O Corinthians respondeu com Cazares e Cauê no setor ofensivo, mas o panorama pouco mudou. No fim, Fábio Santos cometeu pênalti após desviar a bola com a mão. Cássio, porém, salvou ao pegar a cobrança de Fabricio e garantir o resultado.

E a FPF?

Em meio à busca por jogos em outros estados após o aumento das restrições em São Paulo, a Federação Paulista confirmou o duelo em Volta Redonda apenas na noite de segunda-feira. Entre as (poucas) atitudes de conscientização tomadas para os jogos, houve a entrada em campo dos jogadores usando máscaras e um minuto de silêncio simbólico na metade do primeiro tempo. Pouco, ainda mais no dia em que o Brasil bateu, mais uma vez, o recorde de mortes em 24 horas: foram 3.158 vidas perdidas.