Fechar
Região

Adamantina: idosos recebem telefonema e entregam senhas e cartões para golpistas

25 de Junho de 2021

06h33

Por: Siga Mais

Nesta quarta-feira (23) moradores de Adamantina – sobretudo idosos – voltaram a ser vítimas de golpe do cartão clonado. Houve casos de entrega de cartões e senhas, em que os titulares sofreram prejuízos.

O golpe consiste em ludibriar a vítima fazendo-a acreditar, por meio de ligação telefônica, que seu cartão bancário teria sido clonado e, por esse motivo solicitam informações pessoais e senhas, orientando que um suposto funcionário da instituição financeira iria até as residências para a retirada dos cartões, o que ocorrera minutos depois. Em Adamantina, esse mensageiro foi de moto até o endereço das vítimas.

Após a entrega dos cartões, os bandidos agem rapidamente antes que os cartões sejam bloqueados pelas vítimas, e fazem compras em lojas virtuais, transferências bancárias e saques, causando prejuízo aos titulares.

Mesmo quando há esclarecimento e prisões, esses crimes se repetem, praticados por outras quadrilhas que agem em diversas localidades e fogem.

Em Adamantina, em outubro do ano passado, a Policia Civil prendeu um homem de 25 anos, em flagrante, após aplicar esse golpe em uma idosa. A mulher de 65 anos de idade entregou ao transgressor três cartões bancários com as respectivas senhas, sofrendo prejuízo de R$ 7.050,00.

Depois, em novembro, policiais civis de Adamantina prenderam dois homens, um de 26 e outro de 27 anos, moradores da capital paulista, sob a acusação de praticar o mesmo golpe contra três mulheres idosas, respectivamente com 57, 68 e 74 anos de idade, moradoras na cidade.

O que fazer se receber ligação dizendo que o cartão foi clonado?

Segundo a cartilha “Golpe, Tô Fora”, criada pela investigadora da Polícia Civil Bárbara Camapum, que trabalha na Central de Polícia Judiciária (CPJ) de Presidente Prudente, quando um morador receber ligação de qualquer loja ou instituição financeira dizendo que o cartão foi clonado e que estão realizando compras, a orientação é que o titular do cartão vá  imediatamente até sua agência bancária e converse, pessoalmente, com seu gerente. No caso de dificuldade para se locomover, a orientação é pedir auxílio para um familiar. “Jamais entregue seu cartão a estranhos, mesmo que você acredite que ele esteja cancelado ou cortado. Saiba que nem o banco, tampouco a polícia precisam de seu cartão para investigar”, destaca a cartilha, que orienta o público sobre mais de dez modalidades de golpes comumente aplicados, sob os mais diversos meios e argumentos, fazendo vítimas de todas as cidades, em todo o país (acesse aqui todas as orientações).