Fechar
Região

Secretário de Saúde de Tupã diz que recusa à Coronavac é um 'equivoco'

29 de Junho de 2021

06h33

Fonte: TupãCity

Após a coletiva de imprensa na sexta-feira (25), o TupãCity.Com questionou o secretário municipal de Saúde e médico, Dr. Miguel Ângelo de Marchi, se há algum preconceito por parte da população com a Coronavac.

"Sim, por uma ideia falha, uma suposição de que se ouviu que o exterior não vai aceitar viajantes vacinados com Coronavac, ou que conhece alguém que tomou as duas doses, foi internado e morreu. Nós temos a estatística de que aquelas pessoas que estão entre a primeira e a segunda dose da Astrazeneca foram as que mais adoeceram, pois elas não fizeram ainda a formação de anticorpos", esclarece Dr. Miguel.

"É um equívoco pensar isso de uma vacina de muitos anos já montada e que acabou com a epidemia de Coronavírus do tipo 1 no oriente médio há dois anos. Se não tivesse essa vacina lá, metade da população estaria dizimada. O que temos que tomar cuidado é tomar ela no período certo e continuar nos prevenindo", explica o secretário.

Ele acrescenta que a maioria das pessoas que tiveram alguma gravidade ou óbito após a vacinação foi devido às comorbidades. "A maioria das pessoas que tiveram alguma gravidade ou vieram a óbito é porque as comorbidades assim facilitam, principalmente obesidade e diabetes".

"A CoronaVac é segura e tem a sua eficiência, temos que tomar cuidado já que não é porque tomei a vacina que posso ficar liberto. Toda vacina precisa de período de formação de anticorpos e a Coronavac é que mais produz esses anticorpos mais rápido".